O que eu amei em Bali

00:51:00

Vou ser sincera com vocês, meu amor por Bali não foi à primeira vista. Na verdade eu amo Bali pela metade, me decepcionei com as praias e me apaixonei por Ubud e pelos templos.
Antes de ir, falei com um holândes que eu conhecia que tinha acabado de vir de lá. Ele logo me disse que não tinha gostado de Bali, e que a único lugar que valia a pena ficar era Ubud. Desconfiei da opinião dele por que ele já tinha me chamado de louca quando eu disse que ia pra Jordânia no ano anterior. Mas dessa vez ele tinha razão.

Uma das razões do meu amor por Bali

Cheguei em Bali depois de passar 17 dias na Tailândia e logo de cara não encontrei ônibus para Ubud onde passaríamos as três primeiras noites. Depois de ver que era impossivel chegar lá com transporte público, decidimos negociar um taxi e já levei um susto: Bali é muito mais cara do que a Tailândia.
Chegamos na ilha bem na hora do rush e o trânsito caótico já nos dava as boas vindas. Demoramos cerca de uma hora e meia do aeroporto de Denpasar até o hotel.
Minha decepção mudou quando chegamos em Ubud. Comecei a gostar do que via pela janela do carro e me animei ainda mais depois de conhecer nosso bungalow. O lugar era bem no meio da rica vegetação de Ubud e só se escutava o barulho das águas do Lago Bratan.
Sem falar da piscina com borda infinita! 



Vi logo que meus sentimentos com relação a Bali seria uma montanha russa. Agora amo, agora odeio.
Na mesma noite fomos convidados pelo dono dos bungalows a assitir uma cerimônia balinesa. Foi uma boa oportunidade de conhecer os costumes locais.




Na cerimônia balinesa



Batemos um papo com o recepcionista do hotel e pedimos para ele ligar pra uma das várias agências que ofereciam tours pelos principais templos. Tínhamos menos de uma semana e queríamos aproveitar o máximo.

Pagamos salgados 60 euros (fácil se confundir com o cambio, já que a moeda balinesa tem infinitos zeros), e erámos os únicos na van. Apesar de ter tido mais privacidade, por um momento me senti aqueles turistas bobos que não sabem se virar sozinhos.

A moeda local (rupia) que nos confundiu várias vezes


Começamos o tour pelos templos de Ubud, cada um localizado em uma zona especial. Ao lado de lagos enormes, em cima de penhascos, dentro do mar...

Pura Desa


Pura Taman Saraswati


Pura Ulu Danau Bratan


Lago Bratan

Paramos para almoçar em um dos restaurantes ao lado de uma das tantas plantações de arroz de Ubud e enquanto comíamos podíamos apreciar os balineses cuidando do produto mais importante da ilha. Aliás o arroz não é só importante como alimento, mas também é utilizado em celebrações como significado de prosperidade.

Plantações de arroz

Conheci cada pedacinho de Ubud e fui me encantando pouco a pouco com seus templos e suas plantações de arroz e café.


Plantações de café

O café balinês é considerado um dos mais caros do mundo.



Seguimos com nosso tour pelos templos. O que eu mais queria conhecer era o Tanah Lot. Sempre via as fotos daquele templo em cima do mar com aquelas ondas enormes e me imaginava ali.

Tanah Lot

Mas o templo que me deixou mesmo extasiada foi Uluwatu .Mesmo com seus macacos cleptomaníacos, o lugar me fez suspirar. Não sei se foi o pôr-do-sol perfeito ou pelo templo na ponto do penhasco o que mais me impressionou.

Uluwatu


Ainda em Uluwatu assitimos uma apresentação balinesa que contava uma história. Era uma mistura de dança e representação que falava dos deuses da ilha.



Terminamos o tour na praia de Jimbaram, considerado o melhor lugar pra comer peixe fresco. A príncipio pensamos que o nosso guia nos faria gastar o que nos restava de dinheiro no restaurante, mas na realidade o jantar já vinha incluído no preço do tour que nos deixou espantados. O que nos pareceu caro a príncipío, afinal saiu a preço de banana.
Ali provamos a melhor comida de toda a ilha e ainda tivemos uma surpresa:
A praia estava cheia. Famílias e casais jantando, um casamento acontecendo do nosso lado e um grupo de cantores animando todo mundo. Eles iam cantando baladas conhecidas como My Girl, Hotel California e pediam uma pequena contribuiçao aos que estavam por ali.
De repente eles pararam em frente pra nossa mesa e perguntaram se queríamos escutar alguma canção em especial, daí eu falei : Up to you!  Deixei que eles escolhessem e aí eles começaram a cantar Stand by me que é nada mais nada menos que a canção que eu e meu namorado elegemos como nossa quando viajamos da primeira vez à Tailândia!

Darling, darling stand by me

Jantar em Jimbaram


Me emocionei, chorei e fiquei espantada com tamanha coincidência. Bali queria que eu me apaixonasse por ela.
Por aquele dia eu tinha amado Bali. Mas sabia que meus sentimentos em relação a ilha poderiam mudar a qualquer momento.





















You Might Also Like

4 comentários

  1. Engraçado isso que acontece, essa linha entre o amor e ódio, rs o que aconteceu comigo em relação a Phuket. No final você acha que vale a pena visitar Bali Laise?

    ResponderExcluir
  2. Acho que Bali merece uma visita sim , talvez o grande problema dos viajantes(inclusive eu)é ir até lá com muitas expectativas. Bali não é Bora-Bora. As praias deixam muito a desejar!Em compensação os templos são espetaculares!
    Quando penso em Bali tento me lembrar só dos bons momentos.
    Abraço e obrigada por comentar!

    ResponderExcluir
  3. Vou este verán a Bali, gostei dos teus posts… Desculpa o meu falar, son galega! Acho que nos podemos entender igual.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  4. Hola!Gracias por tu visita! Yo tambien hablo castellano y tengo algunos posts en español!!Un abrazo

    ResponderExcluir

Fazemos parte